Vélez sofre, mas garante vaga nas semifinais da Sul-Americana Thiago Henrique de Morais - 11/11/2011 - 00:35

A noite em Liniers tinha tudo para ser tranquila. Depois de um primeiro tempo com direito a gritos de olé da torcida, o Vélez praticamente não voltou para a etapa completar. Apático, o time argentino viu o 11º colocado do campeonato colombiano, o Independiente Santa Fe, buscar o empate e por pouco sair de Liniers com a classificação. Mas, o pênalti convertido por Martinez, nos acréscimos, sacramentou a vaga nas semifinais da Sul-Americana no dramático 3-2.

E beneficiado pelo regulamento argentino, que garante que um time dispute duas competições continentais num mesmo ano, o Vélez alcançou pela segunda vez uma semifinal na América do Sul em menos de um ano. Na Libertadores deste ano, o Vélez caiu diante de um aguerrido Peñarol, que veio a ser vice-campeão da América.

Curiosamente, o adversário do Vélez será outro time que participou da edição da Libertadores deste ano. E ambas terão sensação de vingança, já que o Vélez, para chegar às semifinais do principal torneio da Conmebol, passou por LDU de Quito e Libertad do Paraguai. É verdade que se o Arsenal de Sarandí passar pela Universidad Católica, os argentinos se enfrentarão nas semi, mas tal hipótese é bem remota por conta da vantagem obtida pelos chilenos na partida de ida.

O primeiro tempo foi de arrancar grito de olé dos torcedores aos 37 minutos do primeiro tempo foi graças as boas atuações de David Ramírez e Juan Manuel Martinez e com o faro matador de Guillermo Franco, autor dos dois gols velezanos na partida. O primeiro gol saiu logo no início, dos pés do herói da partida de ida. Ramírez recebeu na entrada da área e mandou uma bomba no travessão. No rebote, o argento-mexicano cabeceou forte, sem chances para Vargas.

Os argentinos mantiveram a tendência e em menos de 20 minutos de jogo estavam com dois gols de vantagem, já eliminando a possibilidade de pênaltis – primeiro jogo foi 1-1, em Bogotá. Após uma jogada rápida, característica do Vélez, Juan Manuel Martinez tocou de calcanhar para Guille Franco bater no contrapé do goleiro. 2-0 e uma classificação praticamente garantida.

Praticamente, pois no segundo tempo, o time caiu totalmente de rendimento. Voltou tão desligado que em menos de um minuto da etapa complementar, os colombianos armaram uma boa troca de passes que acabou nos pés de Rojas, que superou a meta de Barovero. 2-1. Nem mesmo o gol acordou os argentinos. O time ficou esperando o Independiente Santa Fe na defesa, dando sorte para o azar. Até porque qualquer empate a partir daí a vaga iria para os colombianos.

Quando o Vélez mostrava uma reação, veio o fatídico pênalti. Barovero só conseguiu parar Copete segurando-o e a arbitragem acertadamente assinalou pênalti. Na cobrança, um dos jogadores que menos tinham condições psicológicas. Omar Pérez recebeu a notícia na concentração de que seu avô faleceu quando viajava de ônibus para vê-lo jogar em Liniers. O pênalti convertido fez com que as lagrimas caíssem em seu rosto sem o menor pudor.

Com o empate, o Independiente Santa Fe estava com a vaga assegurada. Armou um ferrolho defensivo que só foi furado nos últimos cinco minutos. Nesse meio tempo, Martinez e Guille Franco reclamaram de pênalti, em vão. Mas, num lance em que Augusto Fernandez aproveitou-se da situação, Osses assinalou a marca penal. Na cobrança, Martinez cobrou no canto direito e sacramentou a classificação sofrida do Vélez a mais uma semifinal continental.

Thiago Henrique de Morais

emailfacebooktwittergoogle plus

Fundador do site Futebol Portenho em 2009, se formou em jornalismo em 2007, mas trabalha na área desde 2004. Cobriu pelo Futebol Portenho as Eliminatórias 2010 e 2014, a Copa América 2011 e recentemente é o responsável pela cobertura da Copa do Mundo de 2014, seguindo a Seleção Argentina.


Tags:,